Tuesday, September 18, 2007

Arroto de prosa e poesia

Abro o computador e deparo-me com textos soltos e perdidos guardados sobre o suporte hexadecimal [ou será binário?] do sistema informático. Escrevo sem Nortes literários e sem vontades fortes de contemplações. São notas soltas de coisa alguma, muito embora o que dizem dizer e o que realmente encerram dizendo, sejam temas recorrentes da minha condição humana. Publicar aqui semelhantes textos seria um arroto de prosa e poesia de dúbia qualidade e sentido. Tenho receio, no entanto, que tudo isso venha aqui parar de outra forma, até porque naquilo que realmente nos é caro mas incerto na vida não nos questiona uma vez, mas mais vezes.

2 comments:

100 Sentidos said...

Adorei a última frase...
"Até porque naquilo que realmente nos é caro mas incerto na vida não nos questiona uma vez, mas mais vezes."

Xico said...

Desde que seja vindo de ti, não serão arrotos mas exalações de algo interesssante. Continua a "arrotar" destes textos...